sábado, 24 de julho de 2010

COMO TE VI BEM - TE - VI




Bem-te-vi das árvores
dos rios , do longe-longe
das florestas tropicais

bem te vi no passado
da mata atlântica
dos terreiros e das hortas
dos fios elétricos
dos muros e divisas
das ruas calmas da meninada

Bem-te-vi-preto
do-pico-chato
Bem-te-vi-escuro
pequeno e miúdo
Bem-te-vizinho
em toda a sua imponência

Bem te veria
nos degraus das Igrejas
das janelas intemporais
não fosse a desmedida gula
pelo ávido l'argent
de metálico minueto
seu canto
persiste em mim

Autor:Roberto de Araújo
do livro"Cavalo Lírico"

2 Comentários:

Blogger Bea disse...

Bem-te-vi seu canto
persiste em mim sempre! Eu acordo e trabalho ouvindo esse pássaro que me acompanha desde criança, apesar de morar no centro da minha cidade. Talvez pq tenha muitas árvores nas belas praças.
Você continua me emocionando.
Beijos.

24 de julho de 2010 13:45  
Blogger Kristall disse...

Difícil dizer sobre como seu poema me toca! Sensível, doce, simples... mas intenso. É maravilhoso quando a leitura de algo nos preenche de uma forma tão grandiosa, que chega a nos pedir pra escrever algo sobre aquilo que sentimos apenas por ler - poema sobre o poema.

Obrigada por compartilhar teus versos!
Fico verdadeiramente grata.

24 de julho de 2010 17:02  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial