terça-feira, 26 de outubro de 2010

O GALO DE COPACABANA



Os trogloditas do asfalto
não suportam o canto
do galo de copacabana!

Mas não é o canto é
a máquina desumana
que atropela todos os dias.

Não é o canto é o horror
do cotidiano é a bala perdida
é o lotação insuportável!...

Não é o canto do galo
é o canto da sirene
que avisa "pega ladrão".

O galo com toda sua plumagem
de passista de escola de samba
quer apenas agradar com
seu canto, mas para quem?


Autor: Roberto de Araújo

2 Comentários:

Blogger eliane fernandes disse...

Lindíssimo e te digo mais me fez lembrar a famosa cronica Ai De Ti Copacabana de Rubem Braga .

26 de outubro de 2010 16:20  
Blogger Milene disse...

Adorei Tio...gosto de todos os seus poemas,sao um melhor que o outro...Parabens...

27 de outubro de 2010 05:07  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial