terça-feira, 21 de junho de 2011

CONTABILIDADE DOS MORTAIS



Na folha branca
contabilizo o
patrimônio
da minha
existência!

Fui e não fui
o que deveria ser
talvez seja esse
menino que morrerá
comigo irrequieto
inconformado procurando
balões de cores azuis!

Tudo cumprido devidamente
anotado restou a pena de não
ter vivido mais profundamente
os dias da irresponsável juventude,
pois a vida é uma pilhéria!

Esse suspiro para uns longo
para outros curtos só mostra
a exiguidade do tempo que
passa como linha de carretel!

E todos pensam em flores
em presentes de natal no
sapatinho atrás da porta,
mas atrás da porta há portas
e mais portas e muitas vezes
damos com a cara na porta,
até que ela sorrindo diz
pode entrar seu humano
sem nenhuma reverência!


Autor: Roberto de Araújo.

1 Comentários:

Blogger Pedrosill disse...

Muito Bom Roberto!
Que desabafo! Além de coerente, maravilhoso!!!
Amei!
Parabéns!

27 de outubro de 2011 10:57  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial