terça-feira, 17 de janeiro de 2012

AMOR DE ARREBENTAÇÃO

O amor que se ama
com alvura gera dor
incompreensão
aberração
inimizade
separação
medo
ódio sem perdão.
Que amor louco meu Deus!

O amor de aluguel
que se ama raquítico
como comendo pipoca
no cinema "arranjado"
obrigado é fogo apagado
nunca se esquenta
nunca se rebenta
é café requentado
pro resto da vida!

Qual escolher?
Não tem escolha
o destino vem a
frente e toma conta!

Morre-se de paixão
ou põe uma pá de terra
que qualquer aracnídeo
descobre e vem a revolução
da paixão impiedosa!

O amorzinho pequenininho
tomamos uma dose por dia
até a chegada do nosso dia
de dizer adeus a tudo e ao Amor!


Autor: Roberto de Araújo

1 Comentários:

Blogger Carmen Cardin disse...

Roberto, maravilhoso poema que retrata verosemelhantemente os amores de cada dia! Resta-nos escolher qual amor preferiremos cultivar! Parabéns! Carmen Cardin

19 de janeiro de 2012 03:42  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial